Quem somos

Educação

Por que as crianças mentem?

Educação

Por que as crianças mentem?

Uma mentirinha aqui, outra acolá. E de repente você começa a notar que sua criança aprendeu a mentir. Mas, afinal, o que está por trás das mentiras que os pequenos nos contam? Quem nos ajuda a entender essa questão é a estrela-convidada, psicóloga Rebecca Ferreira Carvalho

21/12/2022

A verdade é que não existe uma única resposta para essa pergunta. As crianças mentem pelos mesmos motivos que mentem os adultos: para se proteger, tirar vantagem da situação ou não decepcionar alguém que ela gosta. A diferença está no nível de complexidade da mentira. E no entendimento que a criança tem sobre isso.  “A criança mente em diversos momentos e por diversos motivos. Autores do desenvolvimento como Piaget, acreditam que a criança pequena não mente por mentir e que na verdade, ela altera a realidade em função dos seus desejos ou fantasias. Em geral, crianças pequenas recorrem a “pseudomentiras” quando desejam sair de uma situação difícil inventando uma história”, explica a psicóloga Rebecca Ferreira Carvalho, mestranda em Psicologia pela PUC/Campinas. 

Sem intencionalidade

Durante a infância, há dois tipos de mentiras que são mais frequentes: aquela que serve como autoproteção e aquelas mais elaboradas, usadas para proteger ou ajudar outras pessoas. Vale dizer que a criança não tem nenhum obstáculo interior referente à mentira. Rebecca conta que a criança mente como brinca, não sentindo a necessidade de dizer a verdade. “Trata-se da própria estrutura do pensamento espontâneo da criança e não de uma verdadeira intenção de mentir, não sendo nada patológico”, diz. E muitas vezes a mentira é uma ferramenta lúdica usada pelas crianças para viver em seu “mundinho” das fantasias, onde tudo é possível. Quando a criança passa a acessar o conceito de moralidade colocado pelos adultos e passa a escolher e tomar suas próprias decisões, isso marca um passo importante do desenvolvimento.

Pensando de uma forma ampla, as regras são feitas pelos adultos para as crianças. Quando pequenas, as crianças aceitam-nas como definitivas e invioláveis, mas depois essas regras que eram “leis sagradas” passam a ser decisões da própria criança. “A responsabilidade objetiva é um dos passos que marcam o desenvolvimento e a regra moral, assim como o próprio conceito primitivo de moralidade, é despertado na criança, como uma forma de justiça retributiva pelo “crime” cometido e passível de ser punido”, conta a psicóloga. 

Quando a mentira deixa de ser um processo natural da criança

Tendo consciência que a mentira faz parte do desenvolvimento da criança e que, na maioria das vezes, acontece sem a intencionalidade de enganar alguém, vale compreender os motivos que levaram seu filho a mentir. Dessa forma, em vez de olhar para a mentira como algo errado e que deve ser sempre punido, você poderá ajudá-lo a lidar com angústias, medos ou frustrações que possivelmente tenham motivado a mentira. Se a mentira faz parte do mundo imaginário e não prejudica a criança ou outras pessoas, não há motivo para preocupações. 


Outro ponto importante é olhar para o próprio comportamento familiar, afinal, as crianças absorvem e refletem o ambiente em que são criadas. “O diálogo sempre é o caminho para qualquer problema, seja ele a mentira ou não. Escutar o que as crianças têm a dizer, o que elas estão sentindo e tentar compreender como elas estão entendendo as situações que a cercam é essencial. A mentira veio por qual fator? Está relacionado a qual ciclo? Escola, família, amigos? Tente entender e dialogar, sempre”, aconselha Rebecca. 

Como vemos aqui, não há receitas ou manuais para evitar que seu filho minta. E abrir espaço de conexão para entender o que motivou a mentira é um passo importante para a construção de relações de confiança e afeto, em que a criança se sente segura para dizer o que sente e pensa, sem medo de ser punida – e aí usar a mentira como recurso. Faz todo sentido, não é mesmo?

Os perrengues da parentalidade às vezes são mais leves quando entendemos que não somos os únicos que passam por esses momentos. Confira nossa constelação de matérias com histórias, dicas e ideias, assim juntos, podemos aprimorar nesse caminho.

compartilhe esse carinho

Você também vai gostar de ver

29/02/2024 • Saúde e bem-estar

Dicas para uma introdução alimentar de qualidade

ver artigo completo
27/02/2024 • Família

Ter relações sexuais próximas à criança, pode interferir no seu desenvolvimento e causar traumas.

ver artigo completo
22/02/2024 • Saúde e bem-estar

A importância da educação sexual para as crianças

ver artigo completo
20/02/2024 • Educação

Brigas entre irmãos: como lidar para criá-los respeitando suas individualidades

ver artigo completo
Ver mais publicações

Nossos temas favoritos

[optin-monster-inline slug="ecs7dujpozunqs1bing6"]

Desenvolvido por: