Quem somos

Educação

Cuidar do próprio dinheiro é um ato de autocuidado. Entenda porquê

Educação

Cuidar do próprio dinheiro é um ato de autocuidado. Entenda porquê

Um está diretamente atrelado ao outro. E nossa missão aqui é te ajudar a enxergar isso. Contamos com a ajuda da estrela-convidada Dani Martins, executiva da área de planejamento financeiro e criadora da jornada Relacionamento com o Dinheiro.

26/04/2023

Hoje Stellar te convida para um papo sincero sobre dinheiro. Isso mesmo: vamos quebrar o tabu que é falar sobre grana, afinal, saber gerir a vida financeira é também um ato de autocuidado. Como assim? Vamos começar com a máxima que dinheiro é vida. Dinheiro é seu tempo de vida. Ah, que exagero, você pode estar pensando. Mas, se refletirmos bem, nossa relação de trabalho nada mais é que a troca do tempo de vida pelo salário (que pode ou não ser justo, aí é outra conversa). Sendo assim, seu dinheiro representa seu tempo vivido. E é justamente por isso que olhar, cuidar e nutrir sua grana é um ato de autocuidado.

Há quem diga que dinheiro não traz felicidade. De fato, ele não é o único fator para a felicidade. Fosse assim, não haveriam ricos infelizes. “Mas saber gerir a vida financeira está diretamente atrelada à felicidade, pois nela moram a segurança e os sonhos. E o dinheiro traz segurança, tanto para conseguirmos prover para quem amamos, quanto para nos ajudar na realização de sonhos e desejos, como comprar a casa própria e viajar”, diz Dani Martins, executiva da área de planejamento financeiro, apaixonada por desenvolvimento de pessoas e criadora da jornada Relacionamento com o Dinheiro. 

Infelizmente, muita gente associa dinheiro com coisas ruins, como corrupção, ou com dificuldades de lidar ou ganhar dinheiro. Mas a maior dificuldade vem do fato que não fomos educados a olhar com bons olhos para ele. “E eu proponho que olhemos para o dinheiro como uma fonte de um presente e futuro melhor”, aconselha a especialista.

Autoconhecimento é o primeiro passo para melhorar sua relação com o dinheiro

Talvez a sua vida financeira esteja um caos ou, quem sabe, você gostaria de simplesmente gastar menos e usufruir mais do suor do seu trabalho, especialmente quando chega a fatura do cartão de crédito e você se dá conta que muito do que está ali é gasto desnecessário. Assim como tudo na vida, o primeiro passo para uma mudança positiva é o autoconhecimento, que nesse caso, passa por uma auto análise das motivações por trás dos seus gastos. É preciso olhar para dentro de si e entender o gatilho para a compra.

E se tratando dos gastos financeiros, existe um estudo feito por pesquisadores de Harvard que mostra que entre 85% e 95% das decisões de compra são realizadas de forma inconsciente. “Dessa forma, fica claro o quanto o autoconhecimento é mais do que necessário, é imperativo para entender e nos retirar dos ciclos negativos e prejudiciais que nos levam a ter gastos excessivos e causam problemas financeiros sérios. 

Em muitos casos, o descontrole financeiro pode ser um reflexo de algumas necessidades emocionais e psicológicas que precisam ser olhadas com atenção, o que faz com que a compra funcione como uma compensação dessa necessidade. “Alguns estudos da economia comportamental mostram que, muitas vezes, compramos algo para suprir uma carência, um vazio”, conta a especialista. Não à toa, temos cada vez mais áreas de estudos, como economia comportamental e neurociência, que estão se aprofundando nos comportamentos humanos em relação ao dinheiro. “Gosto muito de trabalhar o autoconhecimento relacionado com o dinheiro, através da tomada de consciência das nossas crenças limitantes,que nos fazem acreditar que dinheiro é sujo, ou que não somos merecedoras dele, por exemplo. Ou, ainda, trabalhar as crenças que herdamos/aprendemos com nossos antepassados, trazendo o contexto que eles vivenciaram e como continuamos reproduzindo-os inconscientemente”, conta Dani Martins.


Em busca de pertencimento

Já sabemos que todos os seres humanos têm a necessidade de pertencer a um grupo, então, numa sociedade onde o valor pessoal está atrelado ao TER e não SER, acabamos muitas vezes adquirindo coisas para sermos aceitos e respeitados dentro de nossa comunidade. “Ao passar dos anos, a pessoa começa a atrelar seu valor próprio às coisas que ela consegue adquirir, o que é um jogo bastante perigoso na vida adulta, pois ela nunca se sentirá satisfeita com o que ela tem.

O mundo marketeiro vive criando coisas para despertar nosso desejo: um novo carro, um modelo mais novo de telefone, uma viagem mais sensacional e, inconscientemente, estamos sempre comprando para pertencermos. Até o dia que nos damos conta que estamos endividados, não temos as reservas de emergências ou não conseguimos o que de fato era importante por falta de organização” reflete Dani Martins.


Seja qual for o motivador dos gastos para além da conta, é a partir do autoconhecimento que há possibilidade de tomar consciência desses comportamentos, avaliar e calibrar a vida financeira, entrando para o caminho da libertação de um estilo de vida insustentável. E possivelmente, isso resultará em maior alinhamento dos seus gastos com seus reais valores e necessidades, além de mais liberdade, espaço, e satisfação.

É hora de agir!

Tomar as rédeas da vida financeira não é algo fácil. Exige muita dedicação e, às vezes, ajuda especializada. Aqui, pedimos para a Dani Martins listar as principais dicas que vão ajudar você a lidar melhor com o seu dinheiro e, consequentemente, a sua vida. Preparada?

Foque no autoconhecimento

Não deixe para amanhã o que você pode e deve começar hoje. Como podemos facilitar as mudanças de hábitos? Em primeiro lugar, através de autoconhecimento para identificar qual o comportamento que não está a serviço dos seus valores e sonhos. Se necessário, coloque no papel as motivações por trás dos seus últimos gastos. O que você estava sentindo quando comprou aquela blusinha?

Tenha uma meta

Se você não sabe para onde ir, qualquer caminho serve, já dizia o gato Cheshire em Alice no País das Maravilhas. E para ter uma vida financeira saudável não é diferente. Primeiramente, é necessário decidir o que você quer de verdade, ou seja, ter uma meta. E aceitar que tudo tem um preço na vida.

E o preço para se ter uma vida financeira mais saudável é dedicação, disciplina e conhecimento. Só assim, será possível não cair nas armadilhas do inconsciente. Saiba o que move você, tenha um sonho grande. Porém, não basta apenas identificar o sonho, é preciso desejar alcançar do fundo do seu coração, e não só na sua mente. Afinal, somos seres emocionais, e não racionais como muitos acreditam. Dica: crie um quadro dos sonhos com fotos para te ajudar a conectar as emoções de possuir o que deseja e te ajudar em momentos de dúvida, além de manter o foco do que realmente importa para você.

Seja autorresponsável e torne a responsabilidade um mantra

Respire fundo e diga: “Eu me responsabilizo pela minha vida daqui para frente. Eu tomarei as melhores decisões que puder, sempre pensando em mim primeiro. Isso significa que me comprometo a não gastar mais que eu ganho, alinhar meu dinheiro com meus valores e manter uma reserva financeira que me trará conforto para seguir adiante.” Sempre que vier aquela vontade de gastar, repita o mantra e avalie se há necessidade desse gasto.

Não fuja da planilha de controle financeiro

Não adianta reclamar, você não vai conseguir fugir da planilha de controle de ganhos e despesas. Ter tudo anotado, seja no papel ou numa planilha, vai te ajudar a entender para onde “sua vida” está indo. Lembra que dinheiro é vida?

Antes de tomar uma decisão de compra, use o P.A.R.D 

A sigla significa: perceba, analise, reflita e, só então, decida. Exemplos: só compre algo depois de pesquisar sobre o item; espere um tempo entre ver/desejar um item e efetivamente comprá-lo; evite cair na armadilha das promoções: elas foram criadas exatamente para as pessoas que se deixam levar pelo gatilho mental; desinstale aplicativos de lojas de venda online, e mais importante: não cadastre seu cartão de crédito nelas. O evento “compre com um clique” pode destruir em segundos seu orçamento do mês! 

Separe um dinheiro no início do mês para suas metas

Aprenda a se colocar em primeiro lugar com essa atitude. E não deixe esse dinheiro na conta corrente para evitar a tentação de gastá-lo na primeira oportunidade. Depois de ter um dinheiro guardado, você vai ver que seu sono vai melhorar muito, sabendo que tem uma reserva de emergência. E se não precisar gastar com ela, usufrua desse dinheiro sem peso na consciência.


Agora conta pra nós lá no nosso Insta: Qual dessas dicas fez mais sentido para você? Você se identificou com os comportamentos citados pela especialista? Vamos adorar essa troca!

compartilhe esse carinho

Você também vai gostar de ver

29/02/2024 • Saúde e bem-estar

Dicas para uma introdução alimentar de qualidade

ver artigo completo
27/02/2024 • Família

Ter relações sexuais próximas à criança, pode interferir no seu desenvolvimento e causar traumas.

ver artigo completo
22/02/2024 • Saúde e bem-estar

A importância da educação sexual para as crianças

ver artigo completo
20/02/2024 • Educação

Brigas entre irmãos: como lidar para criá-los respeitando suas individualidades

ver artigo completo
Ver mais publicações

Nossos temas favoritos

[optin-monster-inline slug="ecs7dujpozunqs1bing6"]

Desenvolvido por: