Quem somos

Saúde e bem-estar

10 benefícios do leite materno que talvez você desconheça

Saúde e bem-estar

10 benefícios do leite materno que talvez você desconheça

Nesta semana, que celebra o Agosto Dourado, Stellar reuniu informações do Ministério da Saúde e da Sociedade Brasileira de Pediatria, e apresenta aqui para você conhecimento precioso sobre a importância do aleitamento materno. Confira!

07/08/2023

Nesta semana, que celebra o Agosto Dourado, Stellar reuniu informações do Ministério da Saúde e da Sociedade Brasileira de Pediatria, e apresenta aqui para você conhecimento precioso sobre a importância do aleitamento materno. Confira! 

Não é segredo para ninguém que o aleitamento materno é bom para a saúde e o desenvolvimento do bebê. Tanto que existe até uma Lei Federal sancionada para definição do mês de agosto como “Agosto Dourado”, destacando o Dia Mundial da Amamentação, comemorado em 1º de agosto, e a Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM), que vai de 1 a 7 de agosto. Mas você conhece a fundo os principais benefícios do leite materno? Vamos juntos entender mais sobre o assunto para que possamos nos tornar uma sociedade mais apoiadora das mães e que incentive o aleitamento para além das idealizações!

1. O leite materno é um alimento completo e de fácil digestão 

Na prática, isso significa que, até os 6 meses, o bebê não precisa de nenhum outro alimento, como chá, suco, água ou outro tipo de leite (a não ser que o bebê tenha restrições ao leite da mãe). De acordo com o Ministério da Saúde, ele é de mais fácil digestão do que qualquer outro leite.

2. É um protetor natural, com efeitos incríveis para evitar doenças 

O leite materno funciona como uma vacina natural, já que é rico em anticorpos, protegendo a criança de muitas doenças, como diarreia, infecções respiratórias e alergias. Reduz ainda as chances de desenvolvimento de hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade. Obviamente, ele não substitui as vacinas que o bebê precisa tomar nos primeiros meses de vida e nem ao longo da vida, ok? Outro ponto a favor da amamentação é que o leite já vem pronto, na temperatura ideal e limpo. É muita praticidade e até economia, não é mesmo?!


3. Ao sugar o leite materno, o bebê está fazendo um exercício de desenvolvimento do rostinho

É isso mesmo que você leu. O contato pele a pele do bebê com a mãe não é apenas importante para o vínculo entre ambos. O fato de sugar o leite do peito é um excelente exercício para o desenvolvimento da face do bebê, ajudando ainda na formação de dentes alinhados, no desenvolvimento da fala e na respiração.

4. O leite materno se adapta nutricionalmente às necessidades do bebê

Num processo extremamente inteligente e eficiente, a composição do leite materno está em constante modificação, sendo que nos primeiros dias após o nascimento, as glândulas mamárias produzem o chamado  colostro, que é riquíssimo nutricionalmente e tudo o que o bebê precisa para seus primeiros dias de vida. Após quatro dias, em média, o colostro se transforma em um leite de transição, e por volta do décimo dia as glândulas mamárias produzem um leite mais maduro, que vai se modificando ao longo do desenvolvimento da criança. Inclusive, quando o bebê fica doente, o leite se adapta às necessidades para ajudar no combate à doença.

5. O leite materno se altera durante as mamadas

No início da mamada, o leite possui mais água para matar a sede do bebê, já do meio para o final da mamada, é mais rico em gordura para satisfazer a fome do bebê, ajudando-o também no ganho de peso. E essa mudança na composição ao longo da mamada também favorece a produção de leite, já que quando a amamentação inicia, o bebê está com mais fome e suga de maneira mais forte a mama, favorecendo o seu esvaziamento. Daí a recomendação de iniciar a mamada pela outra mama na próxima vez, um equilíbrio precioso para a boa produção de leite pelo corpo da mulher. 

6. Reduz o risco de morte em bebês

Outra vantagem, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, é a redução de 41% do risco de morte de crianças amamentadas exclusivamente até os 6 meses, em comparação aos bebês que mamam no peito, mas também são alimentados com água ou bebidas à base de água. Já em relação às crianças em aleitamento materno parcial, ou seja, que recebem outros tipos de leite além do da mãe, a ameaça é 78% menor, e chega a 88% quando comparada aos bebês que não são amamentados.

7. O estado emocional da mãe pode influenciar na produção do leite

Você já deve ter ouvido que mulheres sob estresse constante e que estão amamentando podem ter a produção de leite comprometida. E é mesmo verdade. Isso porque são os hormônios ocitocina e prolactina que entram em ação para que o leite materno seja produzido. E níveis elevados de estresse podem reduzir esses hormônios, dificultando o processo de amamentação. A prolactina, outro hormônio responsável por estimular a produção do leite materno, também pode sofrer alterações. 

Com facilidade para aprender por meio do visual e uma forte skill em criatividade, a designer conseguiu desenvolver diferentes técnicas durante o período de isolamento social. Atualmente, além das bonecas, a Mica & Oli também oferece acessórios, mochilas e objetos de decoração.

[vtex blocktype=”products” ids=”253″]

8. O leite materno evita cólicas no bebê

As responsáveis por este feito são as proteínas chamadas de globulinas, que fazem o leite materno fermentar menos, produzindo menos gases e evitando as cólicas, em comparação com outros tipos de leites. E como um dos fatores que podem levar às cólicas é a ingestão de ar pelo bebê, ao sugar no peito, a entrada de ar na boquinha dele é muito menor do que numa mamadeira, por exemplo. 

[vtex blocktype=”products” ids=”238,239″]

9. Favorece o desenvolvimento cognitivo da criança

Um estudo realizado por cientistas do Institute for Social and Economic Research at the University of Essex, na Inglaterra, com 12 mil bebês, publicado no The Journal of Pediatrics, mostrou que os bebês que foram amamentados desenvolveram mais rapidamente o cérebro, apresentando melhor desempenho de vocabulário e raciocínio. Uma das explicações é que a gordura presente no leite materno é rica em ácidos graxos poli-insaturados, que são responsáveis por formar os neurônios da criança e favorecer as sinapses nervosas. E como o desenvolvimento de cerca de 80% do cérebro acontece nos dois primeiros anos de vida, o impacto do aleitamento no desenvolvimento é importantíssimo. 

10. A mãe também ganha com a amamentação

O aleitamento ajuda na redução do peso ganho ao longo da gravidez, reduz o risco de diabetes e do desenvolvimento de câncer de mama e de ovário. De acordo com Peter Hartmann, especialista em ciência da amamentação, da Universidade da Austrália Ocidental, quando a mãe amamenta, seu útero se retrai mais rápido do que o da mãe que não amamenta, evitando perdas de sangue e, consequentemente, a anemia por deficiência de ferro. A ocitocina produzida durante a amamentação também tem efeito antidepressivo, ajudando a acalmar, reduzir o estresse e a pressão arterial. 

[vtex blocktype=”products” ids=”912,561″ vertical]

Gostou de saber mais sobre os benefícios da amamentação para o bebê e a mãe? Compartilhe este texto com a sua rede de amigos!

compartilhe esse carinho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também vai gostar de ver

29/02/2024 • Saúde e bem-estar

Dicas para uma introdução alimentar de qualidade

ver artigo completo
27/02/2024 • Família

Ter relações sexuais próximas à criança, pode interferir no seu desenvolvimento e causar traumas.

ver artigo completo
22/02/2024 • Saúde e bem-estar

A importância da educação sexual para as crianças

ver artigo completo
20/02/2024 • Educação

Brigas entre irmãos: como lidar para criá-los respeitando suas individualidades

ver artigo completo
Ver mais publicações

Nossos temas favoritos

[optin-monster-inline slug="ecs7dujpozunqs1bing6"]

Desenvolvido por: